sábado, 29 de novembro de 2014

Estreia da peça: Zorro, uma lenda cigana

Nesta quarta-feira, dia 26 de novembro de 2014, ás 20 hs, houve a estréia da peça: "Zorro, uma lenda cigana" no colégio Marista. A peça teve como objetivo, conhecer, entender, respeitar e repassar o conhecimento referente a cultura cigana, como forma a diminuir o pré-conceito étnico-racial sofrido pelos ciganos na sala de aula, mas também como forma de homenagear nosso trabalho que contribui de forma positiva com a erradicação do pré-conceito étnico-racial no Rio Grande do Norte.

Em uma estória bem cativante, musical, com muita dança e cheia de magia cigana, zorro, "uma lenda cigana"foi recorde de público em sua estréia. lotou o teatro do marista de alunos, curiosos, admiradores da cultura, professores, etc. Fôra uma hora de espetáculo, uma peça rica em detalhes, extremamente inteligente, pedagógica e ao mesmo tempo intrigante, pois nos segurou até o final.

Fui homenageada pelo elenco, pois uma das alunas que atuou como protagonistas fez "meu papel" junto ao zorro. Ela foi "diana por um dia" Estou muito agradecida pelo carinho a mim conferido, informo-lhes que a recíproca é verdadeira.


O CONVITE: amplamente divulgado nas redes sociais.




SINOPSE DO ESPETÁCULO:


                         

Natal, ano de 1943: começa uma aventura numa época fascinante e turbulenta, com um personagem cativante chamado Diego de La Vega... O Zorro. Diego, um jovem americano rico, se vê obrigado a abandonar Barcelona devido a 2ª Guerra Mundial. Para escapar dos nazistas, aceita viajar com o clã cigano, os ‘Rudaris’ até a América. Contudo, ele se vê obrigado a ficar numa pequenina e pacata cidade brasileira antes de completar sua viagem até a Califórnia. Ao perceber que a capital potiguar está ameaçada por um tirano Coronel, ele passa a defender os fracos e oprimidos, sob uma máscara e uma capa negra, empunhando uma espada e cavalgando um cavalo igualmente negro de nome "Tornado". Sem o disfarce, ele simula ser um homem que se acovarda diante de situações de perigo.

Fotos do espetáculo: 












Diana Rorarani, "Diana" e a professora Bibiana Stevez.

"O meu povo não quer ir nem vir, o meu povo quer passar" - Cecília Meireles.


Um comentário:

  1. Fazer este projeto, não teria sido possível sem a sua indispensável presença e contribuição. Nós da Escola Marista Champagnat de Natal agradecemos pela disponibilidade e confiança.

    ResponderExcluir